Terça, 18 de Junho de 2024
15°

Chuvas esparsas

São Lourenço do Oeste, SC

Opinião Região

Crise fiscal: um dos porquês (Final)

* Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 10 de junho de 2024 Centro Internacional de Análises Econômicas e de Estudos de Mercado Agropecuário (Ceema), vinculado à Universidade Regional do Noroeste do Estado (UNIJUÍ)

10/06/2024 às 15h45
Por: Felipe Alípio Fonte: Prof. Dr. Argemiro Luís Brum
Compartilhe:
* Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 10 de junho de 2024 Centro Internacional de Análises Econômicas e de Estudos de Mercado Agropecuário (Ceema), vinculado à Universidade Regional do Noroeste do Estado (UNIJUÍ) - Foto: Arquivo pessoal
* Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 10 de junho de 2024 Centro Internacional de Análises Econômicas e de Estudos de Mercado Agropecuário (Ceema), vinculado à Universidade Regional do Noroeste do Estado (UNIJUÍ) - Foto: Arquivo pessoal

Uma reforma administrativa, que venha a encaminhar soluções para a crise fiscal brasileira, precisa contemplar três objetivos: “aumentar a produtividade do setor público; melhorar a qualidade dos serviços prestados; e otimizar a despesa com a folha”. E mais, a mesma não pode ser parcial como as últimas reformas realizadas, em especial a previdenciária. Ela precisa ser obrigatória para todos os entes do governo. Isso porque há enormes disparidades. Hoje, o país tem 11 milhões de servidores (12,4% dos trabalhadores), contra 23,5% na média da OCDE, mas o país gasta, com pessoal, 13,4% do PIB, contra a média de 9,9% junto aos países ricos e que oferecem excelentes serviços públicos, ou contra 6,5% a 7% do PIB gastos por países comparáveis, como o Chile, México e Colômbia. Somos o sétimo país que mais gasta com servidores no mundo, porém, os serviços oferecidos são de péssima qualidade. Além disso, a remuneração média de um servidor público nacional é de R$ 5.600,00, enquanto a renda média real dos trabalhadores nacionais é de R$ 3.000,00. Segundo o Banco Mundial, o setor público brasileiro ganha mais do que o privado para funções semelhantes, enquanto o índice de satisfação com o serviço público prestado é um dos mais baixos do mundo. E quem mais sente são os mais pobres, pois os que mais precisam do Estado. Portanto, torna-se mais do que urgente a realização de uma reforma administrativa neste país, no bojo dos ajustes estruturais que o Estado precisa fazer. O problema é que continuamos na direção contrária. Os concursos públicos continuam colocando mais gente do que o necessário para dentro do Estado; o Judiciário acaba de gastar R$ 132,8 bilhões, em 2023, em salários de servidores e equipamentos, sendo que 90,2% do total foi em despesa com pessoal. Em paralelo, o judiciário gerou receitas que cobrem apenas 52% de suas despesas. E os magistrados ainda estão criando subterfúgios para aumentar seus elevados salários, podendo causar um rombo adicional de R$ 82 bilhões nas contas públicas em quatro anos, e assim por diante. Em contrapartida, por exemplo, as empresas pagam, em encargos, mais de 100% do valor dos salários pagos aos seus funcionários, nos tornando campeões mundiais de tributos sobre a folha de pagamentos. (cf. Schmidt, C. Revista Conjuntura Econômica, FGV, abril/24)

 

Receba as notícias em primeira mão, acesso no DR News

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
São Lourenço do Oeste, SC Atualizado às 03h06 - Fonte: ClimaTempo
15°
Chuvas esparsas

Mín. 14° Máx. 21°

Qua 20°C 13°C
Qui 23°C 14°C
Sex 23°C 15°C
Sáb 24°C 14°C
Dom 25°C 16°C
Anúncio
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Anúncio
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias