Sábado, 13 de Julho de 2024

Chuva

São Lourenço do Oeste, SC

Opinião Região

A Selic não cura a doença (I)

* Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 de julho de 2024 Centro Internacional de Análises Econômicas e de Estudos de Mercado Agropecuário (Ceema), vinculado à Universidade Regional do Noroeste do Estado (UNIJUÍ)

02/07/2024 às 11h23
Por: Felipe Alípio Fonte: Argemiro Luiz Brum
Compartilhe:
* Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 de julho de 2024 Centro Internacional de Análises Econômicas e de Estudos de Mercado Agropecuário (Ceema), vinculado à Universidade Regional do Noroeste do Estado (UNIJUÍ) Foto – Arquivo Pessoal
* Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 de julho de 2024 Centro Internacional de Análises Econômicas e de Estudos de Mercado Agropecuário (Ceema), vinculado à Universidade Regional do Noroeste do Estado (UNIJUÍ) Foto – Arquivo Pessoal

Na área econômico-financeira, a doença que devora o Brasil e impede melhor performance do PIB e da qualidade de vida das pessoas é o déficit fiscal crescente e a dificuldade em estancá-lo. Já é sabido que o financiamento do mesmo custa muito caro ao país. Mais ainda quando o rombo se dá sobre despesas que pouco resolvem os problemas dos brasileiros, salvo alguns privilegiados. Agora, tal rombo começa a atingir o pouco de recursos que é destinado aos programas sociais, tão necessários à grande parte da Nação. Os mesmos tendem a se inviabilizar com o tempo, no contexto do descontrole das contas públicas. Mas as consequências são ainda maiores. Como a principal alternativa ao déficit (ajustar as despesas às receitas) não ocorre, apesar das diferentes âncoras fiscais postas em prática, sobra o caminho do financiamento do déficit. Das três outras opções, duas estão praticamente esgotadas no país (emissão de moeda e aumento da carga tributária) e a terceira (venda de títulos públicos), a mais usada atualmente, agrava a situação no longo prazo. Neste último caso, os títulos públicos, indexados em boa parte à Selic, acabam servindo para rolar a dívida, porém, a aumenta no médio e longo prazo até o ponto de os credores “duvidarem” da capacidade de pagamento do Estado e cobrarem juros cada vez mais elevados a ponto de inviabilizarem o processo (ver Venezuela, Argentina e outros países). Em tal estágio da crise fiscal, a pressão por dinheiro, vinda do Estado, alimenta a desvalorização da moeda. Por sua vez, esta alimenta a inflação nacional, pois tudo que se importa fica mais caro e tudo que se exporta sobe de preço, elevando igualmente os preços internos, podendo causar até mesmo desabastecimentos. Para controlar a inflação, no passado o Brasil (e atualmente alguns países mundo afora) tentaram medidas populistas paliativas, como fazer o Estado controlar preços e outras medidas heterodoxas. Políticas que, no médio prazo não dão certo e o problema volta com ainda mais força. Sobra, então, a política monetarista a qual tem, na política de juros, um fundamento importante. Ou seja, aumentando a taxa básica (Selic no Brasil), a tendência é inibir o consumo e, com isso, os preços recuam. A consequência é que tal política, ao inibir o consumo, freia o crescimento do PIB e a geração de empregos. O que fazer? (segue)

 

Receba as notícias em primeira mão, acesso no DR News

A matéria na íntegra estará em nossas páginas impressas, leia no Jornal Destaque Regional

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
São Lourenço do Oeste, SC Atualizado às 09h05 - Fonte: ClimaTempo
Chuva

Mín. Máx. 10°

Dom 9°C 5°C
Seg 15°C 3°C
Ter 18°C 8°C
Qua 20°C 11°C
Qui 22°C 12°C
Anúncio
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Anúncio
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias