Siga nossas redes:

 
Formosa do Sul

Caça intensificada ao Aedes Aegypti

Vigilância Sanitária de Formosa do Sul intensificou trabalhos de combate à dengue

Felipe Alípio
dengue
Foto: Ascom Pref. F.S.
Vigilantes percorrem a cidade orientando sobre cuidados a serem tomados.

Com trabalhos de enfrentamento ao Aedes Aegypti e campanhas de conscientização, Dia Mundial de Combate à Dengue é tema de ações em Formosa do Sul. A data é lembrada no dia 20 de novembro, mas a Vigilância Sanitária estendeu o cronograma e intensificou os trabalhos.
A conscientização teve início com os alunos da rede municipal. Cartilhas foram entregues aos estudantes da Escola Municipal Vida & Alegria e da Escola Municipal Primeiros Passos. Também foram entregues sementes de Crotalária, uma planta consumidora de larvas do mosquito Aedes Aegypti.
Na semana passada, integrantes da Vigilância Sanitária realizaram visitas aos moradores do perímetro urbano. Cartilhas e sementes de Crotalária foram entregues.
Crotalária
A Crotalária é uma planta de flor amarela que atrai a libélula que por sua vez se alimenta das larvas do Aedes Aegypti. De acordo com a fiscal de Vigilância Sanitária, Crislei Borsoi, a planta ajuda no combate ao Aedes Aegypti, mas não é a solução do problema.
"A Crotalária vai ajudar no combate a infestação, mas os cuidados que sempre tomamos devem continuar como manter quintais e jardins limpos e sem água parada em qualquer recipiente", frisa a Vigilante.
LIA
Ao longo do mês, foi desenvolvido o Levantamento do Índice para Aedes Aegypti (LIA). Estudo é estratégico para identificar áreas com maior ocorrência de focos do transmissor da doença, apontando a presença de possíveis criadouros do mosquito.
Conforme relatórios da Vigilância Sanitária, foram inspecionados 246 imóveis. Quantitativo equivale a 33% das edificações do perímetro urbanos.
Trabalho resultou na coleta de 45 amostras de larvas. Deste total, 38 apresentaram resultados positivos para Aedes Aegypti. Com tal resultado, o município configura um cenário de índice de alto infestação.
Borsoi destaca que um dos maiores problemas encontrados nas residências é os depósitos de água sem as devidas precauções. "Qualquer deposito de água da chuva deve ter telinha na entrada calha e na entrada da caixa, com torneira instalada para retirada da água deste depósito para evitar abrir a caixa. Pedimos que todos façam a adequação dos depósitos para evitarmos a criação do mosquito nestes locais", frisa.




capa jornal.jpg
 
logo vetor branco.png

Adjori/SC - Todos os direitos reservados

Travessa Raulino Lazarin, nº 39, Centro, São Lourenço do Oeste/SC , CEP 89.990-000
Fone (49) 3344-1400, e-mail:contato@destaqueregional.jor.br

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina